Guia básico das metodologias ágeis de software

O desenvolvimento de metodologias ágeis passou a ser conhecido em meados de 2001. O processo foi idealizado por experientes consultores e programadores de software e se tornou conhecido por estabelecer os princípios comuns dos métodos Scrum e Extreme Programming (XP). Esta metodologia está relacionada a uma extensa alteração de documentação para o funcionamento adequado do software. Processos e ferramentas assumem papel secundário, sendo substituídos por interação e pessoas. Além disso, a colaboração do cliente se torna mais importante do que os processos de negociações de contratos.

Os softwares ágeis são extremamente adaptáveis às demandas do mercado. Conheça agora as principais metodologias ágeis dos softwares.

Extreme Programming

Conhecida popularmente como XP, essa plataforma de desenvolvimento aposta na simplicidade dos processos, na comunicação entre clientes e equipe com o intuito de minimizar ruídos, e em feedbacks constantes. Além disso, a metodologia XP é dinâmica, e o cliente pode imprimir nela o seu perfil de trabalho.

O XP possui variadas práticas de aplicação em projetos. Como este leque é bastante completo, as empresas podem escolher um mix de aplicações para adquirirem melhores resultados para seus projetos. As principais aplicações são:

Pair Programming e Move People Around

Nestas aplicações, o trabalho no XP é desenvolvido em duplas com rodízio entre elas. Toda a produção de códigos é feita por duas pessoas simultaneamente em um mesmo computador. Isso garante a troca de experiências, o desenvolvimento e a nivelação de conhecimento entre programadores. Um dos ganhos nestes processos é a minimização dos erros, pois o trabalho é feito com atenção redobrada. O rodízio entre as duplas é feito periodicamente, proporcionando assim um maior engajamento da equipe.

Collective Code Ownership e Coding Standards

Aqui o código é de todos da equipe, mas é preciso ficar de olho na padronização. A consequência do trabalho realizado em duplas e do rodízio é a liberdade para programar, uma vez que o acesso ao código é liberado. Portanto, todas as alterações são bem-vindas visando um objetivo comum dentro da arquitetura padrão dos códigos.

The Customer is Always Available

Para realizar a programação de códigos, a equipe possui contato direito com o cliente. Aqui, o cliente faz parte da equipe de desenvolvimento e o intuito é sanar suas dúvidas imediatamente, otimizando o tempo de trabalho e garantindo um maior índice de satisfação do cliente.

Metaphor (uso de metáforas)

O metaphor consiste em criar um método de relacionar o produto em desenvolvimento de forma metafórica, ou seja, evitando termos técnicos. Isso interfere diretamente na transparência entre clientes e a equipe.

Refactoring

O objetivo aqui é simplificar cada vez mais o código sem perder nenhuma funcionalidade, é como uma espécie de lapidação do projeto, o foco é a melhoria contínua. Algumas empresas não gostam de investir nesse processo devido ao custo, entretanto é fundamental para melhorar o desempenho.

Testes

São executados durante todo processo de desenvolvimento. A implementação dos softwares é feita primeiramente através de testes.

Projeto simplificado

O projeto é desenvolvido para satisfazer as demandas do momento. Com o surgimento de novas demandas, os softwares vão ganhando mais funcionalidades. Portanto, estão em constante mudança.

Scrum

Uma outra metodologia que merece destaque é o Scrum. Totalmente interativo, o Scrum consegue atuar também no gerenciamento de projetos — inclusive pode ser utilizado em conjunto com o XP. No Scrum os prazos são bem definidos através de cronogramas. A equipe é formada em média por 7 pessoas e seu gerenciamento é feito pelo ScrumMaster, que coordena e orienta em relação aos processos e prazos. O dono do projeto dentro do ambiente do Scrum é denominado Product Owner. Vamos às etapas de desenvolvimento:

Product Backlog

É o primeiro passo, pois nesse momento são definidas as funcionalidades do projeto. Como toda ferramenta de desenvolvimento ágil, a flexibilidade é importante, afinal a necessidade do cliente pode mudar a qualquer momento.

Sprint Backlog

É a estruturação de todas as informações colhidas no Product Backlog e  a definição dos prazos para execução. A cada dia é determinado um Sprint. Um dos processos-chaves do Scrum são as Daily Scrum, reuniões diárias com tempos preestabelecidos visando alinhar processos e identificar possíveis problemas na execução do projeto.

Sprint Review e Sprint Retrospective

Seus objetivos são fazer uma revisão do trabalho pronto e apresentar para o cliente o que já foi feito. Neste caso, o cliente participa de cada Sprint, podendo assim dar sugestões para possíveis melhorias. Nas reuniões Sprint Retrospective, o intuito é mensurar os erros e acertos no Sprint concluído. Essa etapa é considerada uma das mais importantes, porque através dos resultados é possível aprimorar as aplicações em busca da melhoria contínua das ações.

Para conseguir um maior aproveitamento dentro do universo da programação, vale a pena investir em você mesmo. Faça cursos de especialização e não deixe de acompanhar nosso blog! Caso ainda tenha alguma dúvida sobre as metodologias ágeis de software, deixe um comentário!

Publicado por Rafael de Paula

Algumas sugestões de publicações para você ler

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *